Aquivos por Autor: Franz E.

Sobre Franz E.

Escritor de gaveta... por enquanto... é difícil nascer escritor... nem sei se o desejo... ou se o conseguirei! Ainda não lhe encontrei sentido nem coerência, muito menos utilidade para quem lêsse. Agora, a escrever para um dia ser livro, talvez... quem sabe.

vida curva e recurva

Anúncios

Imagem | Publicado em | Etiquetas | Publicar um comentário

vais em papel velho

Imagem | Publicado em | Etiquetas , | Publicar um comentário

Estás ali sem medo e por fim

Sabes que o mais dificil é outra coisa, é chegares ao fim ou perto disso e não teres feito nada de relevante. Nada mesmo. Não teres contribuido com nada. Não teres deixado nada. E não vais deixar nada nem uma … Continuar a ler

Publicado em O Ladrão | Etiquetas , | Publicar um comentário

desistir

-“Vim daí, de onde ninguém sabe, andei por onde ninguém quer, visitei lugares que nem eu queria e sucumbi à miséria psicológica: um cérebro mimado. E não pensei que sobrevivesse. Não pensei que os braço fossem para trabalhar, embora os … Continuar a ler

Publicado em Franz E., literatura, O Ladrão | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

Matilde

Matilde era a sua filha. O Verão ia de rompante quando a viu correr passeio rio acima e sentiu-se sereno, cumpridor, responsável, conseguia fazer crescer uma criança de pouca sorte nascida, tal como prometera, mas a outra sorte acarinhou-lhe o … Continuar a ler

Publicado em Franz E., literatura, O Ladrão | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

em parte incerta

José, O Quinas, vivia em Lisboa, em parte incerta, junto a um beiral que o abrigasse da noite, das agruras do tempo maldito e dos outros, com fome, tudo assaltam. A rua era a sua casa. Esquecera a outra, a … Continuar a ler

Publicado em O Ladrão | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário

sopa

Parece e é simples. Uma sopa. Feita por ela. A Natália. Ou melhor, a minha avó. É de facto a minha avó. Embora não o seja por família. Ela adoptou-me como neto e eu a ela como avó. Foi uma … Continuar a ler

Publicado em Franz E., literatura, O Ladrão | Etiquetas , | Publicar um comentário